quinta-feira, 31 de março de 2011


E o que eu faço de melhor é te esperar,
tentar ser feliz sem você é complicado.
Tento aliviar minhas angústias pensando em nós,
pensando nas coisas que poderíamos fazer,
no que poderíamos ser, ter.
Poderíamos salvar o mundo se quiséssemos,
mas só queremos salvar a nós mesmos,
o que malmente conseguimos assim, longe um do outro.
E ficamos assim, no anseio de colidir nossos corpos,
nossos beijos, nossas mãos, como se fossem dois mundos,
dois universos com tal magnetismo que atraem-se inconscientemente.
E provocaremos um novo Big Bang, sentiremos o frisson da criação,
o fervor dos sentimentos primordiais e vitais.
Mas quando volto a mim eu vejo que só posso Esperar,
angustiadamente.
para que possamos um dia brincar de amar,
com a lua a nos iluminar na varanda,
como duas crianças a descobrir uma a outra.

7 comentários:

Camila disse...

Aê, meu bem!
Gosto da forma que vc escreve!Tens uma facilidade, escreve e passa com perfeição o que queres! Seu texto me lembra alguns textos que venho lendo,são similares! Beijos, meu bem!

Anônimo disse...

"E o que eu faço de melhor é te esperar"...
Eu só quero essa certeza... sempre que eu precisar de forças.
;*

Dan disse...

Putz... deveriam colocar pelo menos a primeira letra do nome... só pra EU ter a noção de quem seja... postagens anonimas são tensas! Mas imagino quem seja '-'

Carla Morgana disse...

É pra Flávia, diga?! rsrsrs

Anônimo disse...

"É pra Flávia, diga?! rsrsrs"

:O
Diiiiga... diga logo. DIGA!
kkkkkkkk
Aproveite e diga tambem quem é Flavia.

Dan disse...

kkkkkkkkkkkkkkk
tu acha que é pra Flavia, Carla??
shauhsuah

Anônimo disse...

Ô.o